Nubank anuncia plano de contratar 2 mil profissionais negros até 2025

Nos próximos cinco anos, a empresa informou que vai analisar, em média, 2 mil currículos por semana; programa de seleção de profissionais negros está com inscrições abertas

Texto: Redação | Edição: Nataly Simões | Imagem: Nappy

O Nubank, maior banco digital independente do mundo, anunciou que planeja contratar 2 mil profissionais autodeclarados pretos ou pardos até o fim de 2025. As contratações fazem parte do plano da empresa de garantir, em cinco anos, um ambiente de trabalho com ao menos 30% de funcionários negros e ao menos 22% pessoas pretas ou pardas em cargos de gerência.

Segundo o censo realizado pela empresa, atualmente 23% de seus funcionários e 18% dos gerentes se autodeclaram pretos ou pardos. Dentre as 2 mil contratações, mais de 500 serão destinadas à equipe de engenheira, pelo menos 150 para vagas de analistas de negócios e mais de 250 para posições de gerentes de produto, designers e cientistas de dados.

Nos próximos cinco anos, o banco estima que o time de recrutamento e os gerentes das diferentes áreas vão analisar, em média, 2 mil currículos de candidatos autodeclarados negros e pardos por semana. De 2017 para 2020, a contratação de pessoas negras dentro da empresa saltou de 19% para 27%. A expectativa é que 30% de todos os funcionários contratados até o final de 2021 sejam negros. Em 2025, esse número será de 37%.

“Ainda temos muito trabalho a fazer, mas ficamos felizes em concluir esse diagnóstico para conseguir planejar melhor as próximas etapas e ter um norte na formação de um time cada vez mais diverso e inclusivo”, afirma. Cristina Junqueira, cofundadora do Nubank. “O censo não é apenas para mensurar, mas também para dar transparência a todo o processo agora e para os próximos anos”, acrescenta.

O censo organizacional faz parte do plano de ação divulgado pelo Nubank em novembro de 2020, com medidas internas e externas, para combater o racismo estrutural no Brasil. À época, a empresa recebeu uma enxurrada de críticas em razão da cofundadora ter dito em uma entrevista que existia uma dificuldade em contratar pessoas negras.

Programa de seleção para pessoas negras

Desde então o banco tem adotado iniciativas para a inclusão e retenção de talentos negros em todos os níveis hierárquicos. Nesta semana, foi anunciada a abertura de inscrições para um programa de recrutamento de profissionais autodeclarados pretos ou pardos para o time de engenharia de software da companhia.

Chamado de “Nós Codamos”, o evento virtual vai acontecer nos dias 5 e 6 de março e já tem mais de 1,2 mil pessoas inscritas. Os interessados podem se inscrever até 12 de fevereiro na página de carreiras do Nubank.

A empresa também abriu no fim do ano passado uma plataforma exclusiva para pessoas autodeclaradas pretas e pardas se candidatarem. Em três meses, mais de 15 mil pessoas se inscreveram na plataforma. Somando com as vagas abertas no Nubank no período, foram 23 mil cadastros de pessoas pretas ou pardas. Os processos seletivos estão em andamento e até o momento mais de 900 pessoas já foram chamadas para a fase de entrevistas.

Ainda de acordo com a empresa, a equipe de diversidade e inclusão, 100% dedicada à atração, seleção e desenvolvimento de grupos sub-representados, dobrou de tamanho e deve continuar crescendo - há nove vagas abertas. O time era composto por quatro pessoas, hoje são nove e o objetivo é chegar a 18 em breve.

O plano de ações do Nubank prevê também a criação de um centro de engenharia de software, design e experiência do cliente, o “NuLab”, em Salvador, na Bahia. Além da inclusão de critérios de diversidade na avaliação e seleção de fornecedores durante o processo de compras, um fundo de capital semente para investir em startups brasileiras fundadas ou lideradas por pessoas negras, cursos de formação educacional voltado para negros e negras socialmente excluídos, entre outras ações.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!