Familiares de Lumena, Karol Conká e Projota recebem ameaças nas redes sociais

No ambiente virtual, a expressão 'BBB21' é a mais buscada da história das edições e acompanha o aumento de ameaças online

Texto: Roberta Camargo | Edição: Nataly Simões | Imagem: Reprodução/Rede Globo

Os familiares de Lumena Aleluia, Karol Conká e Projota relataram nas redes sociais terem sido alvos de ameaças em razão das ações dos participantes do BBB 21 não irem de encontro às expectativas do público. A desistência do ator Lucas Penteado, por exemplo, e os ataques dos brothers à participante Juliette, impulsionaram os comentários e mensagens com teor ameaçador. 

"A Marieva foi jurada de morte e eu fiquei muito mexida com isso", desabafou Tâmara Contro, esposa de Projota, em publicação no Instagram. Marieva é a filha do casal, que completou um ano no dia 8 de fevereiro. A atriz e produtora de conteúdo conta que já tomou as providências para a investigação do crime e que se sente injustiçada com a situação. "Nada que o Projota pudesse ter feito na casa deveria respingar em pessoas que estão aqui fora", avaliou

O filho da cantora Karol Conká também foi vítima de ameaças através das redes sociais. Jorge Conká usou o Instagram para contar que o público do programa ultrapassou os limites de respeito e fez o convite para uma reflexão. "Se coloquem no meu lugar, imaginem se fosse alguém te ameaçando e xingando sua mãe. Zero empatia, né, rapaziada?", escreveu. 

 A assessoria da cantora também se posicionou contra as ameaças feitas ao jovem de 15 anos e pontuou a gravidade dos ataques. "São ataques cruéis e que não têm ligação alguma com os últimos acontecimentos".

Os ataques feitos por uma parcela do público no Instagram também atingiram a esposa da participante Lumena. A esposa da psicóloga, Fernanda Maia, disse em duas redes sociais que o  “cancelamento” já passou e reiterou a fala dos familiares de Projota e Karol Conká. "Eu e a família de Lumena não entramos no BBB21", afirmou.

Cibercrime

Segundo dados do Google Trends, as pesquisas sobre termos relacionados ao BBB 21 dispararam nas redes sociais desde a estreia do reality no dia 25 de janeiro. As ameaças feitas nas redes sociais contra os familiares se tratam de cibercrime e se enquadram no mesmo processo penal que os crimes praticados fora do ambiente virtual, conforme destaca o advogado Gabriel Prado. "A calúnia, a injúria e a ameaça podem acontecer também no meio virtual, então estão naqueles tipos penais que temos no artigo 147", explica.

A partir da denúncia feita pelos familiares dos participantes do reality, a condução do processo também é a mesma. "A única diferença é o meio que ele vai ser consumado. É muito importante ter sempre o local, então quando se trata da internet a gente fala da URL, com o link da publicação", detalha Prado.

O advogado lembra ainda que redes sociais como o Instagram e o Twitter não têm responsabilidade sobre os comentários feitos pelos usuários. "As plataformas só respondem pelos crimes se existir uma ordem judicial pedindo a remoção daquele conteúdo", conclui.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!