São Paulo comemora 467 anos com programação on-line e gratuita

Programação conta com atividades virtuais como exibição de filmes, contação de histórias, música, intervenções artísticas, além de projeções do projeto "Quebrada Viva" em comunidades da periferia

Texto: Roberta Camargo | Edição: Lenne Ferreira | Imagem: Agência Brasil 

Depois de anos de comemoração tradicional pelas ruas, a maior metrópole da América do Sul, a cidade de São Paulo vai celebrar o aniversário de 467 anos sem calor humano. Devido à pandemia, a Prefeitura organizou uma programação virtual que também vai contar com corte de bolo ao vivo. A capital paulista será homenageada por uma série de atividades on-line e gratuita nos museus Casa das Rosas, Casa Guilherme de Almeida e Casa Mário de Andrade, Oficina Cultural Maestro Juan Serrano e Fábricas de Cultura. Ações também incluem intervenções artísticas e projeções em bairros periféricos. 

Com o tema "Memória, Consciência e Esperança", as atividades planejadas vêm para, além de celebrar a memória da cidade, homenagear vítimas da Covid-19, assim como os profissionais de saúde. Uma agenda com mais de 40 atividades de diversas áreas culturais que serão exibidas nas redes sociais de centros culturais, casas de cultura e bibliotecas. Uma mostra da diversidade paulistana com shows de rap, samba, rock, MPB, apresentações teatrais para adultos e crianças, de dança, contação de histórias, discussões sobre questões indígenas. 

Destaque na programação, o projeto "Quebrada Viva", leva para as periferias da cidade projeções em laser de artistas independentes periféricos com frases de conscientização em mensagens de amor, esperança, cuidado e afeto e que poderá ser acompanhada pelos moradores das comunidades das janelas de suas casas, reforçando o distanciamento social. 

Nas regiões da Praça da República e das ruas Augusta, 7 de abril e Nestor Pestana, o artista visual Moises Patricio promove a intervenção Aceita?, com uma série de obras de arte em lambe-lambes levando frases de conscientização, informações e dados sobre a pandemia. A homenagem "Nome Próprio" irá projetar fotos das mais de 200 mil pessoas que tiveram suas vidas acometidas pela pandemia no prédio da Prefeitura Municipal de São Paulo, das 20h às 23h.

Entre as atividades on-line, destaque para Desvairada SP – Da Garoa aos Saraus, uma homenagem do Sarau do Binho, precursor de eventos literários nas periferias da Zona Sul de São Paulo. No evento digital, a partir das 17h, poetas e músicos paulistanos relembram histórias vividas na cidade e declamação de poemas e músicas.

Com olhar voltado para a cultura africana na cidade, a Casa Guilherme de Almeida exibirá o filme “Afro-Sampas”, que traz ao público a perspectiva do que pode acontecer quando músicos dos dois lados do Atlântico são colocados em contato na cidade onde vivem. A exibição acontece on-line, na página do espaço de cultura e precisa de inscrição prévia. O encontro contará com um bate papo entre Yannick Delass (República Democrática do Congo), Edoh Fiho (Togo), Lenna Bahule (Moçambique) e os brasileiros Ari Colares, Chico Saraiva e Meno del Picchia, que aceitaram o convite para um primeiro experimentar sonoridades, memórias e criatividades. 

Com participação de nomes como Jorge Aragão e O Rappa, acontece também a #ViradaSPOnline, evento com uma programação específica para diversos municípios do estado. A programação completa está em culturaemcasa.com.br.

 

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!