Oficina de fotoperformance para mulheres negras e indígenas encerra inscrições na sexta

O projeto é composto por encontros semanais e ao final será realizada uma vídeo-exposição com o material produzido pelas participantes

Texto: Redação | Edição: Nataly Simões | Imagem: Divulgação/Adriana Chaves

Estão abertas até o dia 12 de fevereiro as inscrições para o projeto “Estudos da intimidade”, que oferecerá oficinas-rituais online de fotoperformance para mulheres negras e indígenas de todo o país. As atividades são gratuitas e contam com a supervisão das artistas e educadoras Dani de Iracema, Jessica Lemos e Jeisiekê de Lundu. 

Durante um mês, o projeto será composto por  encontros semanais e ao final será realizada uma vídeo-exposição com o material produzido pelas participantes. O projeto surge da necessidade de reunir e mover processos criativos de mulheres negras e indígenas interessadas em transformar sonhos, silêncios e poesias em imagens.

Idealizado pela artista baiana Dani de Iracema, a proposta de oficinas-rituais está em sua segunda edição e já teve a participação de cerca de vinte mulheres (cis e trans) de todas as regiões do país. A iniciativa conta ainda com a presença de outras duas artistas baianas  e sertanejas: Jessica Lemos e Jeisiekê de Lundu - que guiam os laboratórios, trazendo oficinas de fotografia, dança e composição de cena, de maneira poética, propondo exercícios práticos e sensoriais durante as vivências. 

Para Dani de Iracema, essa é uma ação poético-política decolonial, uma oportunidade de reunir forças criativas, promover troca, partilha e produção de conhecimento artístico entre mulheres negras e indígenas, para refletir suas relações com a autoimagem em um mundo que ainda objetifica e violenta seus corpos racializados e dissidentes.

A iniciativa é apoiada financeiramente pela Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB) através da Secretaria de Cultura (Programa Lei Aldir Blanc), direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo.

Artistas condutoras do projeto:

Dani de Iracema é artista multidisciplinar que dança, performa e escreve no rasgo e na rasura. Também é mãe e empreendedora. Nascida e inventada no sertão da Bahia, iniciou sua trajetória como atriz em 2007 na sua cidade natal, Vit. da Conquista, e desde lá transita por diversos palcos, ruas e linguagens. Atualmente dedica-se a trabalhos autorais partindo de materiais autobiográficos, autoficcção, ancestralidade e performance ritual - fruto das suas vivências e pesquisas com as manifestações da diáspora africana no Brasil como o samba de roda e a capoeira. Reside em Salvador onde cursa Licenciatura em Dança pela UFBA. É matrigestora, idealizadora e oficineira do projeto Escuro Fértil.

Jessica Lemos é fotógrafa, performer e artista visual. Mestre em Artes da Cena pela Universidade Federal de São João Del Rei (2019) e graduada em Comunicação pela Universidade Federal da Bahia (2016). Pesquisa e desenvolve trabalhos foto-performáticos nos quais visa abordar a prática fotográfica como forma de auto reconhecimento do indivíduo e de sua existência poética e política no mundo. Participou da 31º edição do Inverno Cultural da UFSJ, em Minas Gerais, com a exposição individual “Olhares da Diáspora- Uma Ocupação Fotográfica” (2019). No mesmo ano foi selecionada para a “Residência Artística do I Fórum de Fotoperformance”, em Belo Horizonte (MG). Foi artista premiada no X Salão de Fotografias do Mar (BRA). Em Salvador, produziu seu livro de artista, MOCAMBA (2016), uma narrativa sobre a força do feminino em quilombos da Bahia. Seu trabalho fala principalmente sobre as relações políticas e sociais na vida de mulheres negras a partir da afro diáspora.

Jeisiekê de Lundu na beirada entre Minas e Bahia, mistura montanhas e dendê para criar processos artísticos que envolvem cura, memória, ancestralidade, biopolítica em uma encruzilhada diaspórica sertaneja no litoral. Artista interdisciplinar navega nas artes visuais em suportes como a performance e a escultura, cria microfilmes, escreve crônicas, costura e esculpe figurinos, modifica faces utilizando maquiagem, elementos orgânicos e sintéticos. Atualmente vive e trabalha na cidade de Salvador-Ba, cursa Artes na UFBA e mantem o atelier CasaPallet como residencia artistica.

Serviço:
O quê: Inscrições para o laboratório de criação ESTUDOS DA INTIMIDADE
Data: Até 10 de fevereiro
Modalidade: virtual
Para acessar as inscrições, clique aqui.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!