Festival de Teatro do Subúrbio de Salvador seleciona obras de todo o Brasil

Até 15 de fevereiro, grupos de teatro das periferias e de subúrbios podem se inscrever gratuitamente na quinta edição do evento, que nasceu há cinco anos e tem sua primeira versão virtual

Texto / Flávia Ribeiro | Edição / Lenne Ferreira | Imagem / Mila Souza

Estão abertas as inscrições para o Festival de Teatro do Subúrbio (FTS), que, neste ano será em formato virtual por conta da pandemia. O evento vai selecionar espetáculos teatrais profissional e amador, de grupos, companhias e/ou artistas sediados e/ou oriundos dos subúrbios e periferias de todo Brasil. Para participar é preciso preencher o formulário online . A convocatória é feita pelos grupos Ideias e Ações Culturais e o Coletivo de Produtores Culturais do Subúrbio.

O FTS começou a ser realizado em Salvador, como uma alternativa de espaço para os grupos de periferia que não eram convidados para grandes festivais. Outro objetivo é fortalecer outras perspectivas e narrativas mais plurais. “Acredito que quando pensamos o teatro a partir da nossa realidade, falamos de nós mesmos para os nossos. A linguagem flui, a comunicação é melhor e desta forma podemos tratar com mais facilidade dos temas que permeiam nosso cotidiano”, comenta Márcio Bacelar, um dos realizadores.

Os organizadores planejam selecionar grupos de todas as regiões do país. Os proponentes deverão enviar vídeos de suas montagens gravados e editados conforme especificações da convocatória e enviados no momento da inscrição. Quem for selecionado participará de uma mostra, que será transmitida por meio do canal do Festival, no Youtube. “A ideia é que cada espetáculo escolhido traga um pouco da reflexão de como é a periferia onde o grupo escolhido está inserido” afirma Bacelar.

O resultado da seleção será divulgado nas redes sociais do Festival e do Coletivo de Produtores Culturais do Subúrbio, no início de março. A mostra será de 23 a 28 de março de 2021, com acesso gratuito.

Teatro Negro

Um festival de teatro feito por pessoas das periferias do Brasil, implica também em fortalecer as vivências de pessoas negras. “O festival, quando surgiu, teve como primeiro tema o Teatro Negro. Trouxemos grupos que, para nós, são referências no trato desta questão. Julgamos que precisávamos falar sobre o fazer teatral negro, que diferente totalmente de outros modos e meios, tanto dramaturgicamente, quanto na atuação ou no modo de perceber o corpo”, destaca Bacelar.

O FTS está inserido em um movimento que ocorre há anos em Salvador, que foi o de criar alternativas para a periferia. Bacelar lembra que grupos ocuparam casas abandonas e alugaram espaços para descentralizar e democratizar a arte, alcançando mais pessoas. “Essa democracia tem que ser tanto para o público poder assistir, quanto para o artista, os moradores de periferia terem acesso ao fazer teatral. Isso muda a vida. Muda a perspectiva, a forma de olhar a vida, de escolhas de futuro, afasta a gente de determinadas mazelas da vida. As pessoas devem se permitir sonhar e o teatro, de certa forma, ajuda nisso”, analisa ele, que é coordenador de um Teatro público, na periferia de Salvador, protagonizado e ocupado por pessoas das periferias e subúrbios.

Edital - O Festival de Teatro do Subúrbio foi contemplado pelo Prêmio Anselmo Serrat de Linguagens Artísticas, da Fundação Gregório de Mattos, Prefeitura Municipal de Salvador, por meio da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, com recursos oriundos da Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo, Governo Federal.

Para mais informações clique aqui

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!